Universo Ben 10 Fanfiction
Advertisement
Primórdios
Sem imagem
Informação Geral
Estréia 15 de setembro de 2013
Série History's of one Green Ranger
Detalhes
Originalmente Beginnings
Temporada 1ª temporada
Número do Episódio
Número Geral
Episódio Anterior -
Episódio Seguinte A descoberta
Créditos
Escrito por Artuaii
Dirigido por Artuaii
Galeria de Imagens

Primórdios é o primeiro episódio de "History's of one Green Ranger", e o primeiro da primeira temporada.

Sinopse[]

Conheça Arthur, um garoto bastante experto de 17 anos que se muda para Galarza, uma grande e moderna cidade. Antes disso, Arthur zelava pelos métodos e filosofias Xaulins fã de seus fastos livros, mas um dia se atreve a ler sobre os conhecimentos "Matrix", algo que mudou sua vida. Com isso ele aprende muito e compra uma casa com o que aprendeu em Galarza. Lá no primeiro dia consegue emprego com Gustavo e Henrik, uma dupla de amigos que tinham uma franquia municipal de cereais; o primeiro se aproxima e se torna amigo de Arthur.

Tudo parecia bem, até que Arthur decide explorar o exterior em busca de outras áreas para inovar e encontra um belo lugar, onde decide inciar um grande trabalho sem uma meta definida, além é claro da diversão de estar trabalhando...

Enredo[]

O episódio começa em uma vila pequenina e pacata aliada a uma grande cidade chamada Galarza, nela vivam poucas pessoas, sendo uma delas um menino nativo da região de cabelos pretos e olhos castanhos, seu nome era Arthur. Como muitos de seu povo, Arthur se tornou indenpendente muito cedo e se mudou para vila aos 15 anos. Nela ele estudou vários livros e informações valiosas de outros polos, entre eles o conhecimento xaolin, o preferido do garoto. Um dia um novo livro é lançado em uma livraria próxima chamado: "Matrix"; isso chama a atenção de Arthur e seu amigo que estava com ele John Felps.

  • Arthur: Olhe Felp, veja lançou um novo livro, do que será ele?
  • John Felps: Sei lá, pegue e veja se é interressante. Mas pelo nome pode até ser... ...Matrix's...
  • Arthur: Só pelo nome deve ser um daqueles livros para amadores, sem conteúdo de qualidade ou algo assim; não coloco fé que seja bom.
  • John Felps: Como pode ter certeza se não comprar. Olhe o preço! É quase de graça!
  • Arthur: Então está bem, vou comprá-lo.

Então o garoto para de desdenhar sobre o livro, e o compra, mas tinha a esperança que seus conhecimentos eram superiores aos "Matrix"; quem diria que ele estava encanado. Arthur lê o livro de 100 páginas com intusiasmo, e então descobre que continuações ainda estariam por vir. O livro era recheado de informações uteís e métodos ainda mais uteis de contrução, arquitetura, arte, conhecimento, filosofia e muitos outros tópicos ainda maiores.

O tempo passa e com ele se aumenta o aumento dos conhecimentos Matrix na mente de Arthur, e para surpresa do mesmo os conhecimentos xaulins foram postos para trás. Arthur então utiliza alguns truques financeiros e prospera na sua pequena vila, tanto que se muda com estilo para a monópole Galarza.

Lá ele anda estranhado com as arquiteturas e mordenidades da cidade, tendo também muito mais habitantes que sua antiga vila. Ele havia comprado uma casa e segue em direção dela. De repente é parado por um morador magrelo chamado Albert:

  • Albert: Olá, bem-vindo à Galarza.
  • Arthur: Muito obrigado.
  • Albert: Poderia ajudar em algo?
  • Arthur: Sim; poderia me dizer onde é o vile olimpiano?
  • Albert: Já está nele...
  • Arthur: Hmmmm.... ...não vejo casas, sabe onde elas estão?
  • Albert: Segue reto pelos prédios e vire a esquerda assim que ver o museu. Siga reto e achará as casas.
  • Arthur: Então está bem, obrigado.
  • Albert: De nada.

Arthur então segue as orientações de Albert e encontra sua casa, bem moderna e aconchegante, não parecia sua antiga casa. Ele então desfaz as malas e as organiza em seus cômodos. Passado o primeiro dia, ele sai de sua casa e decide dar um passeio para conhecer o lugar. Ele anda e não é percebido por ninguém, algo que incomoda um pouco o herói, mas o mesmo decide seguir em frente e se depara com um pequeno garoto de 16 anos chamado Cristiano.

  • Cristiano: Ei, oi! Meu nome é Cristiano, qual é o seu?
  • Arthur: Olá, sou Arthur.
  • Cristiano: Me mudei recentemente para cá.
  • Arthur: Eu também, precisamente ontem.
  • Cristiano: Legal. Vim de Pruspier, uma grandiosa cidade para cá, muito maior que essa aqui. Veio da onde?
  • Arthur: Eu vim de Oldiana, uma pequena vila adjacente daqui.
  • Cristiano: Nossa. Já viajou?
  • Arthur: Pouco, somente para Camper.
  • Cristiano: Eu já viajei para um lugar muito mais longe que Camper... ...eu viajei para o Canáda!
  • Arthur: Sério? E como é lá?
  • Cristiano: É bem legal! É cheio de neve, casas de madeira... ...bem legal...

De repente um garoto afro-descendente se aproxima dos dois ao reparar a conversa. Ele tinha olhos castanhos escuros e um cabelo preto, e um olhar malhando percebido de longe. Seu nome era Gustavo.

  • Gustavo: Eae Cristiano! Quem é seu amigo?
  • Arthur: Olá me chamo Arthur, me mudei para cá recentemente.
  • Cristiano: Eu estava falando...
  • Gustavo: Muito prazer, meu nome é Gustavo. Gostei dos seus sapatos!
  • Arthur: Obrigado.
  • Gustavo: Já conheceu a cidade, é bem legal.
  • Arthur: Ainda não, estava a conhecendo agora.
  • Gustavo: Quer companhia?
  • Arthur: Tudo bem...

Os dois saem do local, deixando Cristiano sozinho desapontado. Gustavo mostrava-se vontade de se aproximar de Arthur e "puxava" bastante assunto perto do rapaz.

  • Gustavo: Nossa você é bem alto.
  • Arthur: Obrigado.
  • Gustavo: Queria ser assim... Trabalha em que?
  • Arthur: Na minha antiga casa, eu era um agricultor e plantava meu alimento e não necessitava muito de dinheiro. Gostava de distrubuir aos outros em feras...
  • Gustavo: Mas aqui tem supermercado! Sabe o que é?
  • Arthur: Sei.
  • Gustavo: Então já tão bão. Sabe fazê o que?
  • Arthur: Sei fazer muitas coisas... ...bom em plantar, colher, criar, montar...
  • Gustavo: Já falei que aqui tem supermercado!
  • Arthur: Não... ...sei fazer um pouco mais que isso.
  • Gustavo: Você pode montar uma lanchonete... ...é algo fácil para um bicho do mato quinem você.

Arthur se silencia por um tempo rindo por dentre do que ouviu, mas então prossegue percebendo uma aproximação amigável do garoto para si. De repente um garoto de óculos aparece.

  • Henrik: Oi Gustavo. Oi...
  • Arthur: Prazer, sou Arthur.
  • Henrik: Se mudou recentemente?
  • Gustavo: Veio lá do sertão!
  • Arthur: Não... ...me mudei de Oldiana.
  • Henrik: Hmm... legal, tenho um primo que mora lá.
  • Arthur: Quem seria?
  • Henrik: O nome dele é Ricardo, mas não deve conhecer. Trabalha em que?
  • Arthur: Eu era um agricultor em minha cidade, distribuia comida aos outros sem cobrar, pois não necessitava muito de dinheiro.
  • Henrik: Mas aqui precisa sim, o conselho presidencial da cidade não tolera atrassos nos impostos.
  • Arthur: Lá em Oldiana não tinha impostos.
  • Gustavo: Mas aqui tem! Henrik, viu como ele é alto?
  • Henrik: Reparei. Gustavo precisava falar com você sobre aquela questão de nossa franquia...
  • Arthur: Vocês tem uma franquia?
  • Gustavo: Sabe o que é?
  • Arthur: Sei. (sarcasmo)
  • Henrik: Nós produzimos e vendemos barrinhas de cereais na cidade, o Gustavo conhece um cara que faz e nós saimos vendendo.
  • Gustavo: Um tal de Marlon, mas ele não bate muito bem. O Arthur veio da roça, sabe faze barra de cereal?
  • Arthur: Sei sim. E Gustavo, eu não "vim" da roça, eu só morei em uma vila pequena, mas sei agir como um morador de cidade grande...
  • Gustavo: Ta bom...
  • Henrik: Hey Gustavo! Acabei de ter uma ideia! O Marlon tem demorado muito para produzir as barrinhas, era isso que eu ia falar... ...precisamos de um novo fornecedor. E que tal de fazermos uma experiência com o Arthur... ...é novo na cidade, precisa de trabalho... Topam?
  • Arthur: Por mim tudo bem.
  • Gustavo: Tá legal, então.
  • Henrik: Ótimo! Arthur então pode nos encontrar mais tarde neste mesmo lugar para discutirmos mais sobre o assunto?
  • Arthur: Sim...
  • Henrik: Então até mais!
  • Gustavo: Tchau Henrik!
  • Arthur: Tchau.
  • Gustavo: Nossa cara, já arrumou trabalho! Tu é foda!
  • Arthur: Obrigado.
  • Gustavo: Mas saiba que eu serei de patrão!
  • Arthur: Ok, não irei decepcionar chefe!

De repente um grupo de garotas passam entre Arthur e Gustavo, o último fica sem reação ao ver uma garota chamada Nattaly, uma menina de olhos cor-de-mel com pele bem clara. Arthur já modestiamente percebe na presença do grupo, a garota mais alta e destacante. Quando elas se afastam, começam os comentários...

  • Gustavo: Você viu aquilo! Viu o tamanho do avião!
  • Arthur: Sim Gustavo...
  • Gustavo: Nossa, viu mesmo aquilo.
  • Arthur: Sim; vi também que não tirava os olhos da mais branquinha...
  • Gustavo: Quem a Nattaly? Não, nada a ver.
  • Arthur: Sei... (sarcasmo)
  • Gustavo: Você é legal... Tinho que ir, até outra hora cara.
  • Arthur: Obrigado e igualmente.

O garoto vai em bora, olhando para trás e discando um número em seu celular. Depois da caminhada Arthur volta para casa. No fim do dia, Arthur se reúne com Gustavo e Henrik e os dois firmam um acordo de trabalho. Arthur produz então o produto da franquia dos dois jovens, algo que causa lucro para a pequena empressa.

  • Henrik: Aqui está senhora, uma deliciosa barra de cereais.
  • Senhora Rose: Muito obrigada... ...essas barras são uma delicía. Quem é que faz?
  • Henrik: Temos um rapaz que as faz sob encomenda.
  • Senhora Rose: Pensava que era você. São tão gostosas, e ainda o que fizeram com o lugar foi de tirar o chapéu.
  • Henrik: Obrigado.
  • Senhora Rose: Até logo meu jovem...
  • Henrik: Até...
  • Gustavo: Nossa desde que esse Arthur chegou essas barras tão vendendo quinem água!
  • Henrik: É mesmo. Temos tantos pedidos!
  • Gustavo: Aquele Marlon é um imprestável mesmo!
  • Henrik: Não é bem assim...

Nattaly entre pela porta, deixando Gustavo sem reação.

  • Nattaly: Onde é o banheiro daqui?
  • Henrik: Ali a direita.
  • Nattaly: Obrigada.
  • Henrik: Aff Gustavo, qual é o seu problema?
  • Gustavo: Nada!

Arthur entra pela porta com mais encomendas.

  • Arthur: Oi gente! Trouxe mais cereais. Estava pensando em ampliar os negócios daqui...
  • Gustavo: Eu mando aqui Arthur!
  • Arthur: ?
  • Gustavo: To zoando...
  • Henrik: É uma boa ideia... ...mas o nome da franquia é "Cereabom", não faria sentido se vendessemos tortas...
  • Arthur: Estava pensando em doces.
  • Gustavo: Doces! Cereabom tem os melhores doces da cidade, compra sua torta de morango na Cereabom!
  • Nattaly: Pronto... ...tchau.
  • Henrik: Tchau Nattaly; volte sempre.
  • Gustavo: Pra comprá uma coisa dessa vez...

A Nattaly faz uma cara de reprovação da piada e Gustavo fica desapontado, algo notável pelos três. Então Gustavo adia o tópico para outro tempo e fala para Arthur sobre mais encomendas, e Arthur foi para sua casa prepará-las. Infelizmente o que parecia bom em Galarza não era tão bom para Arthur, que não gostava muito de fazer uma só coisa. Ele preparava diariamente várias fornadas de cereiais para micro-empresa, mas queria mais. Um dia em um fim de semana fala aos dois que iria viajar e volta para Oldiana, e isso é feito.

No meio do caminho repara em uma folha caída, e era um mapa para uma cidade chamada Madritrix, nome que casou a alusão de Matrix. Curioso e animado, Arthur segue para Madritrix e descobre que o lugar era uma cidade espanhola. Lá ele reparou que precisavam de novas construções e se auto-oferece ao cargo. Ele monta algumas construções precárias, mas são derrubadas pelo governo da cidade. Ele passei pela cidade espanhola como um estrangeiro, pois não sabia falar espanhol. Ele então vê um garoto pixando com um spray uma casa branca e pensa que era assim que eles pintavam as construções e então pega a lata de spray e pinta pensando ajudar. Ele é visto pelo governo de lá e em poucos minutos um policial aparece e o expulsa de lá.

Arthur fica desapontado com o ocorrido; mas logo após percebe um caminho bem verde e bem chamativo e se tenta em seguir, principalmente pois naquele já Domingo tão belo e curiosamenter o sol iluminava para aquele caminho. Arthur se puxa para a sua casa em Galarza e volta a fazer cereiais.

Mais tarde come alguns olhando o por-do-sol e na situação convida seu antigo amigo John Felps.

  • Arthur: Nossa está tão bonito...
  • John Felps: Nem tanto, tá até com cara estranha esse cereal.
  • Arthur: Estou falando do por-do-sol... ...bom, te chamei até aqui para te perguntar uma coisa indo direto ao ponto...
  • John Felps: Diga...
  • Arthur: Eu faço cereal para dois novos amigos que fiz aqui, mas não estou gostando muito de fazer. Estou ficando até afluente na cidade por conta da minha arte culinária, mas queria fazer mais!
  • John Felps: Faz um negócio de bolos então! (com um leve sarcasmo)
  • Arthur: Eu fui para uma cidade esponhola e fui expulso de lá...
  • John Felps: Nossa, você é tão querido... (sarcasmo)
  • Arthur: Eu vi uma luz e um caminho brilhante, e fiquei tentado a seguir em frente para ver onde ia dar...
  • John Felps: Não vai pra essa história de luz branca não! É a maior roubada! (alusão à morte)
  • Arthur: Você acha?
  • John Felps: Tenho certeza!

Os dois amigos continuam por mais alguns minutos, mas Arthur sentiu que John não era um bom amigo para contar em momentos de dúvida. John vai embora, e Arthur decide sim seguir o caminho.

No dia seguinte, mas um dia de negócios para Gustavo e Henrik, e o último estava animado com o prossesso da franquia. O animo vai-se em bora com um pedido de demisão de Arthur...

  • Henrik: Mas, por que?
  • Arthur: Tenho que extender meus horizontes, sinto muito...
  • Gustavo: Cara! Eu tava ganhando tanto dinheiro!
  • Arthur: Eu sei... ...sinto muito.
  • Henrik: Gustavo liga pro Marlon e pergunta se ele aceita trabalhar de novo. Boa sorte então Arthur.
  • Arthur: Obrigado.
  • Henrik: Seu pagamento estará pronto amanhã.
  • Arthur: Tudo bem... ...não me preocupo com isso.

Arthur então se ausenta de Galarza e parte para o lugar onde o destino havia o chamado. Seguindo o caminho que havia visto, Arthur encontra um incrível lugar de terra fértil, lagos essuberrantes, e exóticas plantas e flores e decide tornar daquele lugar seu novo ponto de empenho, e após ver que isso teria futuro decide nomear o lugar como "Matrixz".

Eventos marcantes[]

  • A série se inicia e obviamente é a introdução de Arthur.
  • Arthur conhece Henrik e Gustavo, onde se unem para um unico negócio.
    • Arthur se demite do mesmo, mas alcança um grau de popularidade com ele.
  • Arthur é expulso de Madritrix.
    • Por meio dela, conhece Matrixz.
      • Introdução de Matrixz.
Advertisement